•28/08/2014 • Deixe um comentário

dirty_tales

Anúncios

Carta a una señorita em París

•06/07/2014 • Deixe um comentário

Carta a una señorita em París

Brooklyn, 2014

Isso aqui não é Paris, querida.

Isso aqui é uma cozinha engordurada

no canto feio das sereias e todas essas ilhas

jamais

sustentariam suas águas

O novelo gira velocíssimo

Ariadne aguarda no cinema

enquanto o Touro é servido

aos homens que não, jamais

comem

os homens apenas devoram

o perfume que roubam

Isso aqui, querida, barely resembles Paris.

Estávamos nós afundados em navios esqueléticos e mais nada

essa terra úmida engole nossos pés

e nem todos os sorvetes do mundo nos salvariam agora –

aqui, querida,

o vômito é simbólico e o mal-estar constante.

§

apenas uma casa

•24/11/2013 • Deixe um comentário

apenas uma casa

club silencio

•29/01/2013 • 1 Comentário

 

beije,

uma última vez,

 

o seu emprego, o seu fogo, o seu demônio;

beije,

uma última vez,

o seu sonho, o seu senso, o seu deus.

 

beije

as cinzas, a fumaça, a guitarra

uma última vez

 

resistirá ao império caído

o delírio do último homem

 

beije

para que nada sobreviva

sal saliva sangue

beije

a terra tórrida

aterra os escombros

uma última vez

 

beije

para que nada se repita

enquanto as luzes giram velozes

beije

 

§

através do inferno – 1

•21/12/2012 • 1 Comentário

§

 

 

todos os barcos à deriva

não há mais pontes

nem nada que sirva para atravessar

 

e os marinheiros e as putas

 

um último jantar

antes que as luzes

antes que os últimos

 

e as cozinheiras e enfermeiras

 

o castelo e as torres

a última gota e a explosão

quantos desmoronamentos ainda?

 

e os príncipes e os soldados

 

a boca que mastiga o chumbo

o ferimento que acolhe o algodão

temos o mesmo peso que o céu, querido

 

e os médicos e os açougueiros

 

todos os cortes costurados

não há nada mais que sangre

nem nada que faça sangrar

 

os demônios e os deuses

 

a guerra em mute

o fim em preto-e-branco

 

os cavalos e a salvação

 

não há nada mais sirva

 

 

 

 

§

da impossibilidade de subir uma escada

•17/09/2012 • Deixe um comentário

de todos os sonhos

esse foi o pior

 

navios explodem

por todos os portos

ratos avançam

 

estou entre a tempestade e o inferno

aviões explodem no céu azul de setembro

por todos os lados

ratos e restos avançam

y andar arrojando a los cerdos miles de perlas

 

a cruz e a espada

todos os monstros e todos os solados

in my platforms
i hit the floor

 

me acorda,

 

 

 

 

 

§

tori amos – playboy mommy

dos vícios da água – 1

•26/07/2012 • Deixe um comentário

… e sobre a queda

ferido em achar

o seu nome

debaixo da cama,

querido,

amargura em minha boca

sorri seus dentes de chumbo

nunca me negue

açúcar ou vou

voltar

ao

jogo perdido

as complicações

em escrever seu nome

e a queda

o problema em cair

não se importe com os canos

debaixo

enferrujados

eu não era

o homem que eu não era

e o inferno explodiu

por dentro

nas paredes

ou nos cantos

as sereias empalhadas

e os roubos

para justificar as faltas

os carimbos

para refazer o corpo

respirar todo o peso do mundo

§